A Luxação de Quadril na Paralisia Cerebral

A articulação do quadril é formada pelo encaixe da cabeça do fêmur no acetábulo, é muito comum a luxação desta articulação em crianças com paralisia cerebral, que ocorre quando  a cabeça do fêmur sai do seu “ponto de encaixe”, que é o acetábulo.

Por quê é tão comum acontecer na paralisia cerebral?
Porque eles ficam pouco tempo em pé e também se movimentam menos, então atrapalha a articulação de atingir o seu ‘formato’ correto e o fêmur fica mais suscetível a sair do lugar. Os músculos em torno do quadril tendem a posicionar as pernas de maneira com que elas pareçam fechadas (joelho encostando em joelho) e isso força ainda mais o fêmur a sair do seu local, levando a luxação dessa articulação.
Uma maneira de ajudar a prevenir a luxação do quadril é manter a criança em pé desde pequena (crianças pequenas, já em fase de andar, precisam ficar em pé), colocando para andar (mesmo que seja com auxílio ou de forma passiva) e, principalmente, manter um bom acompanhamento fisioterapêutico, para que possa ter um desenvolvimento positivo.
Caso tenha interesse, você pode se inscrever gratuitamente na nossa lista e ser notificado sobre as próximas publicações da categoria Paralisia Cerebral. Para isso, basta clicar no botão abaixo e deixar seu e-mail.

Alana Haddad, formada em Fisioterapia pela Universidade Veiga de Almeida, Pós-Graduanda em Fisioterapia Pediátrica e Neonatal. Possui Certificação no Protocolo PediaSuit. Atende bebês e crianças com Alterações Neuropsicomotoras em consultório e domicílio. Realiza atendimentos sociais em uma Entidade Filantrópica situada na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Consultório: Tijuca – Rio de Janeiro | Domicílio

Contato: (21) 981212815 | alanahaddad@hotmail.com