Dor na coluna lombar em crianças


Conhecendo a principal causa.
 
 
A coluna lombar é formada por 5 vértebras que estão alinhadas, uma sobre as outras e separadas pelos discos intervertebrais.
 
O alinhamento vertebral forma uma curva fisiológica e normal conhecida como lordose.
 
O aumento da lordose é chamando de hiperlordose lombar.
 
 
 
 
A vértebra é formada pelo corpo vertebral, situado na parte da frente e pelo arco posterior, atrás.
 
Dentro do arco posterior passa a medula espinhal.
 
 
A patologia:
 
 
A principal causa de dor lombar em crianças e adolescentes é chamado de espondilólise.
 
 
O que é isso?
 
 
 
 
 
Trata-se de uma lesão óssea, no arco posterior vertebral, dolorosa, podendo levar a instabilidade e deslizamento de uma vertebra sobre a outra (espondilolistese), em 15% dos casos.
 
 
A causa:
 
 
 
 
A principal teoria seria de que a lesão representa uma fratura por “stress” (sobrecarga repetitiva), com fadiga do arco posterior vertebral, em crianças com hiperlordose lombar.
 
Está associado a impacto repetitivo local, em crianças e adolescentes que praticam esportes que favorecem a hiperextensão lombar.
 
 
Incidência:
 
 
5% da população tem espondilólise porém, nem sempre tem sintomas.
 
É 3 vezes mais comum em meninos do que em meninas.
 
 
As queixas da criança:
 
 
 
 
 
A principal causa identificável de dor lombar em crianças e adolescentes é a espondilólise.
 
40% das crianças relatam trauma local como o evento para iniciar sintomas.
 
A maioria das crianças tem hiperlordose lombar mas, pode ocorrer achatamento e retificação da lordose, nos casos onde o deslizamento de uma vértebra sobre a outra já ocorreu.
 
Manobras para hiperextensão da coluna desencadeiam sintomas.
 
Dificuldade para sentar e caminhar, com marcha com passos curtos, na maioria das vezes é encontrado.
 
Dificuldade para extensão dos joelhos, devido ao encurtamento dos músculos posteriores da coxa.
 
Nos casos de compressao radicular, fraqueza muscular e alterações dos reflexos tendinosos são encontrados.
 
 
Como fazer o diagnóstico?
 
 
A confirmação exige exame de imagem sendo, na maioria das vezes a radiografia 
simples, o exame necessário.
 
 
 
 
Tomografia computadorizada e ressonância magnética, só devem ser solicitados em situações específicas. 
 
 
O tratamento:
 
 
Não cirúrgico:
 
 
– Afastamento das atividades físicas;
 
– Analgésicos;
 
– Fisioterapia, visando correção da hiperlordose lombar, alongamento muscular, 
fortalecimento muscular do tronco;
 
 
 
 
Coletes – Podem ser usados, principalmente para crianças com sintomas agudos e de forte intensidade. Tem como objetivo analgesia e redução da lordose lombar.
 
 
Os resultados:
 
 
80% das crianças e adolescentes resolvem seus sintomas sem cirurgia.
 
Acima de 90% dos pacientes retornam aos mesmos níveis de atividade física, prévios a lesão.
 
Lesões em vértebras acima da quinta lombar, tem melhor prognóstico. 
 
 
A cirurgia:
 
 
Indicado para casos refratários ao tratamento conservador;
 
Crianças e adolescentes com dor radicular e sinais de compressão da medula espinhal;
 
Deslizamentos vertebrais (espondilolistese) acentuados.
 
 
Conclusões:
 
 
 
 
Dor na coluna lombar em jovens é uma queixa comum.
 
Devemos sempre valorizar e investigar a causa do sintoma.
 
Espondilólise é a principal causa e um bom diagnóstico, tratamento e acompanhamento adequados, são fundamentais para garantir ao jovem uma coluna sem sintomas ou preocupações futuras. 
 
 
Um abraço a todos
 
Dr. Maurício Rangel
 
Tel.: (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239
E-mail: dr.mauriciorangel@yahoo.com.br